26 de dezembro de 2016

Felizes os dias

em que andam promessas de sonhos, de cor, de luz no ar.... sussurrando: 
"shhhh vais adorar!..." e eu, com um sorriso, só posso acreditar.

Voam


A alegria de um abraço e o calor de uma mão, o silêncio de um ouvido que nos escuta de um olhar que nos vê são as dádivas para quem e de quem nos acompanha no coração.... habitantes da nossa realidade e pontes para a supremacia e para a existência da luz.

E, ás vezes, porque tem de se deixar as rodas dentadas do tempo girarem os rostos afastam-se, temos de escolher um lado para nos virarmos... sabendo que para sempre levaremos no nosso coração aquele abraço aberto, aquela mão quente, aquele ouvido atento e o olhar de aceitação que recebemos e demos sem esperar retorno.

E, às vezes, as pessoas morrem prematuramente na matéria por escolha própria... e a vida segue noutro lado.... longe daqui, sem ou com outros abraços, outras mãos, outros ouvidos ou olhares.... e fica a riqueza do que foi e não se perde, nem se vive... apenas se guarda como memória reconfortante do nosso caminho.

no túnel do amor

Matéria é energia e apesar de não teres átomos existes.

21 de novembro de 2016

vamos todos



Num mesmo rio que se desloca inevitavelmente para a foz viajam águas sujas, águas limpas, sementes, rebentos, raízes e também folhas mortas, troncos secos. Viaja o frio e o quente.
Cada um dança com quem quer ficar e num instante a corrente nos muda e vamos  para outro lugar... ou ficamos ali a lutar.
Vamos como uma molécula ou como uma memória ou continuamos a ir temporariamente em conjunto.... numa deriva que de alguma forma conseguimos seleccionar, mas sujeita ao vento, ao estado do céu, ao leito das terras.... e que apesar dos gostos, das posturas e das essências continua teimosa e inevitavelmente para a foz.

26 de julho de 2016

Bem!

Respiro fundo no ar que purificas...
e sinto-me viva e saudável.... vida interminável...




24 de junho de 2016

Existes


Pudessem as minhas mãos lavar-te as lágrimas
Que sem intenção fiz jorrar...
Pudesse ter pensado mais em ti e menos em nós!

8 de maio de 2016

Se procurar bem

 você acaba encontrando.
Não a explicação (duvidosa) da vida. Mas a poesia (inexplicável) da vida.

Carlos Drummond de Andrade

11 de abril de 2016

there is

 strenght in needing others, not weekness

in Burnt, by John Wells

26 de março de 2016

É sempre um exercício

 aceitar a cadência sem drama, nem euforia.

É bom estar aqui

neste pedaço do mundo 
onde também respiras, 
onde existe a possibilidade de te olhar.

Ainda bem que não vens

Hoje não iria resistir-te. Hoje o meu querer iria sucumbir à minha vontade, hoje toda a distância iria sucumbir à saudade. Hoje iria...
Mas por eu não querer e tu aceitares, sei que nos vamos perder. E pelas minhas mil lágrimas rolam os beijos que não se encostarão à tua pele.
Cai uma noite para nascer um novo dia.

Éire

Éire, March 2016

No cinzento faço um túnel para o futuro, para o presente... vivo lá agora. sinto aqui o calor do sudoeste, a paz das cores e o balsamo dos cheiros. O tempo pára e eterniza-se... as datas são só números e os dias um jogo de luz e sombra. A alma, sem idade, respira fundo abençoada num momento de intemporalidade, leve e profundo!

11 de março de 2016

Ele teve uma

PULMONIA e até fez um TACO!

19 de fevereiro de 2016

10 de fevereiro de 2016

12 de dezembro de 2015

Porque quero alguém?

Boa pergunta!

Porque me apetece?
Porque me parece fazer sentido?

Há tanta beleza no imperfeito...

Canção de Alcipe por Carlos Paredes

e por isso gosto tanto da minha vida!

Só há uma forma de aprender:

fazendo!

11 de dezembro de 2015

Amore

Possesso (Aria) de Gabriel Yared por Ramon Vargas 

Novos murmúrios ecoam como ecoam as luzes ao descer no fim do dia
Trazem serenidade, lembrança e saudade, trazem também alento e desalento
As imagens passam ao lado e por vezes entre-olham-se e compõem-se
Outras vezes nem se cruzam, mas sabem ser perfeitas em cada face sua

E a vida escorrega no desaparecer das cores, na noite imensa que cai
Na solidão de horas sem luz, num resguardo apetecido e ceifante
A vida passa sem dores, sem cores, nem suspiros, nem amor, sem sabor
Os olhos cheios de segredos e de sonhos continuam fortes na face enrugada

A lagrima que só espreita, sem cor nem sabor, e faz abrir as narinas
O tempo que se esvai apertando a garganta e abrindo o peito
Saudades da vida que corre e que traz e leva a própria vida
Felicidade de ter provado, de ter sonhado, de ter conhecido o quadro

Sem nunca o ter realmente sentido ou pintado... nem esquecido

8 de dezembro de 2015

Change

before you have to.
Jack Welch

Acreditar

Fios invisiveis puxam os acontecimentos
E os esperados inesperados concretizam-se
Abrem-se portas para os vales, entra a luz no verde das encostas
O vento passeia-se vivo e pacifico, o ar canta meio a medo

Fios invisiveis podem apertar o pescoço... ou soltar um caroço

Sou intolerante

ao GLÚTEO.

10 de novembro de 2015

Don't think. Feel.
de Thomas E. Kida

20 de outubro de 2015

Crescer

 
pessoalmente... através das relações!


11 de outubro de 2015

Saborear

o silêncio e a paz que trazemos no fundo do ruído e das emoções....


      Sins and omissiona - The Montgolfier Brothers                          

1 de outubro de 2015

Hum...


evolução em vez de perfeição?

27 de setembro de 2015


As pessoas não sabem amar. Preferem amargar em vez de beijar. Preferem dar uma bofetada em vez de acariciar. Talvez por saberem a facilidade com que o amor pode correr mal, tornar-se subitamente impossível... impraticável, um exercício de futilidade. Então evitam-no e procuram consolo na angustia e no medo, na agressão, que estão sempre ali e prontamente disponíveis, Ou talvez às vezes... apenas não saibam todos os factos.

A raiva e o ressentimento podem impedir-te de seguires em frente. É o que agora concluo. Não precisam de nada para queimar a não ser o ar e a vida, que engolem e sufocam. É real a fúria, mesmo quando na realidade não tenha razão de existir. Ela pode mudar-te... virar-te... moldar-te e tornar-te em algo que tu não és. O lado bom, no entanto, é a pessoa em que te tornarás. Um dia, esperemos, acorda-se e percebe-se que não se tem medo desta caminhada. Sabe-se que a verdade é, na melhor das hipóteses, parte de uma história contada, Essa fúria, assim como o crescimento, vem por surtos e crises e no seu rasto deixa uma nova oportunidade de aceitação e a esperança da serenidade.

Mas, que sei eu? Sou apenas uma criança!

in  The Upside of Anger de Mike Binder